sábado, 5 de abril de 2008

A interação fundamental


Texto publicado originalmente em:
Revista Brouhaha - vozes na cultura potiguar
Natal-RN. Ano II - n. 4 - Abril/Junho de 2006 - p. 88-89.

A arte em mosaico é uma referência cultural artística conhecida no Antigo Egito e em toda a região da Mesopotâmia, onde a expansão da língua e dos hábitos árabes islâmicos é originária. Posteriormente chegado ao norte da África e avançando pela zona mediterrânea da Europa como herança patrimonial que penetrou as muralhas da Península Ibérica no século XIV pela influência moura.

A permanência islâmica no continente europeu favoreceu a intensa produção de azulejos, na Espanha os artesãos muçulmanos desenvolveram como estilo próprio mudéjar o horror vacui, a eliminação dos espaços vazios, preenchendo-os a cada milimetro com pequenos pedaços de cerâmica formando desenhos inspirados em grandes rosáceas para as paredes de suas mesquitas.

A busca por um padrão simétrico em conjunto com a expressão da beleza é encontrado nos grandes painéis em mosaico, a principio manufaturados nos artefatos orientais. Porém, o mosaico segue as regras dispostas em cada sistema cultural local: o mosaico da Grécia tem por base amplos círculos e volutas, enquanto na China as peças exibem como motivo principal ziguezagues e entrecruzamentos.

A produção de azulejo foi intensa em Portugal, onde já se havia consolidado o trabalho manual com a cerâmica. Portugal seguiria na criação de painéis iconográficos de cunho religioso, oferecendo como legado cultural sua expressão às áreas colonizadas na África e Índia. No Brasil as cidades de São Luiz, Salvador, Ouro Preto e Olinda possuem paredes cobertas de cerâmica e mosaico.

No Rio Grande do Norte, Natal possui um painel em mosaico datado da década de 1950 assinado pelos artistas plásticos Newton Navarro (1928-1992) e Dorian Gray. A obra foi criada com base na técnica grega, mas é representativa do interesse modernista pelo geometrismo aliado à figura humana. Está fixado na parede do saguão de entrada do Edifício Café Filho, no bairro da Ribeira.

Ainda podem ser vistos painéis em mosaico criados pelo artista plástico Iaponi Araújo (1942-1996), em algumas residências nos bairros de Tirol e Petrópolis, produzidas na década de 1970. Tudo o que foi realizado em mosaico desde então está inscrito no campo do artesanato, elaborado sobretudo para alimentar o mercado turístico local que movimenta a venda de peças de souvenirs.

O diferencial que se apresenta desde o início de 2001 é o trabalho do artista plástico e designer Cláudio Damasceno, que acredita na arte em mosaico como expressão apurada da forma geométrica abstrata. Prefere a elaboração efetiva de um trabalho de criação original dentro do estilo expressionista, além de desenvolver a técnica em materiais inovadores como vidro e plástico.

Quando esteve na Grécia em Março de 1998, Cláudio Damasceno não imaginava que oito anos depois o mosaico ofereceria elementos que hoje fundamentam além de sua própria criação artistica, a possibilidade de interagir contribuindo socialmente com o projeto Mosaico Social. Sua proposta é profissionalizar através de oficinas jovens da periferia na manufatura do mosaico. O projeto Mosaico Social está sendo implantado de maneira pioneira no município de Rio do Fogo, litoral norte do Estado, onde tem o apoio da atual administração.

Durante o período em que cursou Artes Plásticas (UFRN), Cláudio Damasceno estreitou os laços com a arte contemporânea com a montagem da instalação “Ex-tudo” (2001). Um ano antes já havia iniciado as pesquisas sobre a arte em mosaico, consolidadas atualmente em mais de 100m2 em painéis situados em condomínios, prédios e residências em Natal.

Nenhum comentário: