sábado, 5 de fevereiro de 2011

Leituras indispensáveis

Orientalismo (Edward Wadie Said, 1978)

Orientalismo: o Oriente como invenção do Ocidente

AUTOR: Edward W. Said
EDITORA: Companhia das Letras (de bolso)


O intelectual palestino radicado nos EUA, Edward Said é um dos mais respeitados críticos literários norte-americanos. Lecionou em Harvard e foi pesquisador em Stanford, sendo atualmente professor de inglês e literatura comparada da Universidade Columbia.

A visão de um Oriente misterioso e prodigioso, inventada pelo Ocidente colonizador é desmistificada por Edward Said, que mostra como essa representação dos povos orientais foi importante para própria definição da identidade ocidental na legitimação de seus interesses colonialistas. Citando O Dezoito Brumário de Luiz Bonaparte de Karl Marx - "Não podem representar a si mesmos; devem ser representados.", ou Tancredo de Benjamim Disraeli - "O Leste é uma carreira.", o livro é um ensaio erudito sobre as visões e versões fabricadas por uma civilização para inventar uma outra.

Para o autor, o orientalismo domesticou um saber para o Ocidente, capaz de legitimar sua autoridade sobre o Oriente. O princípio da colonização como um "fardo" do homem branco que marcou o imperialismo entre os séculos XIX e XX, é analisado pelo autor através da presença dos três grandes impérios ocidentais (inglês, francês e norte-americano) na sociedade islâmica do Oriente Médio e Próximo.

Edward Said comenta uma série de textos e documentos, mostrando o discurso orientalista através de pronunciamentos políticos, relatos de viagem, estudos sobre a religião, a geografia e a história e mais especialmente as obras literárias de alguns poetas romancistas europeus fascinados por um Oriente distante e desejado que integra o imaginário do homem ocidental.
Uma História dos Povos Árabes (Albert Hourani, 1991)


Uma História dos Povos Árabes
 
AUTOR: Albert Hourani
TRADUÇÃO: Marcos Santarita
EDITORA: Companhia da Letras (de bolso)

Albert Hourani nasceu em 1915, em Manchester, Inglaterra, de pais libaneses. Formou-se em Oxford, onde lecionou de 1948 a 1979. Foi professor visitante nas universidades de Chicago, Harvard e na American University em Beirute, e dirigiu o Middle East Center, em Oxford. Morreu em 1992.

Obra abrangente e minuciosa, trata do início do Islam, de todo o processo de expansão dos primeiros 100 anos promovido pelos árabes muçulmanos. Faz interessante abordagem sobre a colonização, a descolonização, os mandatos, a partilha, os movimentos de oposição, o surgimento da Fraternidade Muçulmana que representou um renascimento dos valores islâmicos diante da crescente secularização das diversas nações árabes, os nacionalismos, o pan-anarbismo de Nasser.

A explosiva situação do Oriente Médio, com os intermináveis conflitos entre israelenses, palestinos e seus vizinhos, a guerra Irã-Iraque, a guerra do Golfo, o fortalecimento do fundamentalismo islâmico - desde a Segunda Guerra, os árabes estão no centro das questões mais turbulentas de nossa época. No entanto, deles e de sua história sabemos muito pouco. É esta lacuna grave e lamentável que Uma história dos povos árabes vem sanar.

Com erudição, sensibilidade histórica e um estilo de exemplar clareza, Albert Hourani, durante décadas professor em Oxford, escreveu um livro obrigatório não apenas para os interessados nas raízes da atual crise internacional, mas para todos aqueles que têm curiosidade por uma cultura de extraordinária riqueza, cuja importância em termos mundiais só tende a aumentar.

Nenhum comentário: