quinta-feira, 20 de outubro de 2011

Busto de poeta potiguar pode ser derretido em praça pública

Sou potiguar, por isso tenho autoridade para dizer-lhes que aqui no Rio Grande do Norte a incultura está chegando a níveis alarmantes! Portanto, o que vocês vão ler abaixo apenas serve de exemplo para o que tem ocorrido por essas praias... 

Aliás, a capital do Estado, a cidade de Natal, vive apenas de suas riquezas naturais: a fama de suas praias. Fama, porque de certo que as riquezas naturais não se sustentam por si mesmas, é preciso que os gestores públicos tenham algum plano para incrementar aquilo que Deus deu graciosamente. Mas aqui não há. Logo, com seu ateísmo, Natal vem perdendo em muito com seu turismo de lazer para outras capitais vizinhas, como Fortaleza.

A área de Educação aqui é uma das piores do país, já fui aluna da escola pública e, infelizmente também tenho autoridade para dizer-lhes que a coisa piorou em muito ao longo do tempo. Não raro, é preciso dizer que aqui só os autodidatas conseguem se safar e passar no vestibular. Porque em sala de aula, esqueça! É a eterna manutenção do sistema arcaico, pobre no lugar de pobre e rico nos postos de comando. Não à toa, aqui os filhos de políticos influentes ganham as eleições para Deputado Federal sem sequer terem experimentado qualquer vivência política, nem ao menos de participação em grêmio estudantil...

Mas o que arrebenta o coração são as Artes... gente, que falta de gestores nessa área no Rio Grande do Norte! Os poucos que trabalharam em gestões recentes foram substituídos por gente gravemente inculta, desnorteada, mal-orientada, sem qualquer conhecimento, curso, interesse, estudo... simplesmente e desgraçadamente ignorantes sobre Arte. Seu termo genérico, Cultura, é usado aqui como sinônimo, já que as pessoas sequer sabem distinguir Arte e Cultura... Tenho mestrado em Antropologia cultural e, fatalmente, posso dizer que ao menos estudei para conseguir dissociar uma coisa da outra... 

Enfim, o governo do Estado do Rio Grande do Norte abandonou a principal biblioteca pública, que faz referência ao intelectual renomado escritor Luís da Câmara Cascudo; sem mencionar suas obras de arte públicas; não há políticas duradouras de incentivos fiscais para os projetos culturais, as que existem não são eficazes; a prefeitua de Natal transformou-se numa piada após a eleição da atual prefeita - que dá as costas para a lei e desaparece da cidade por semanas; de fato, parece que estamos abandonados à própria sorte por pessoas que, por ignorância, desconhecem a importância do capital cultural para a auto-estima da população. Aqui as últimas eleições só agravaram a situação... Agora só acredito num levante popular ou num milagre!

Alemany x Othoniel

Publicação: 20/10/2011 08:26 Atualização:

De Sérgio villar para a redação do Diário de Natal

O busto do poeta Othoniel Menezes doada por seu filho Laélio Ferreira à Secretaria Extraordinária de Cultura para ser chantado no caminho da Fortaleza dos Três Reis Magos ainda dará o que falar. Diante do descumprimento da promessa, o filho do autor de Serenata do Pescador - a nossa Praieira - confirmou que nesta semana irá requerer à Secretaria a devolução da obra, de autoria do escultor Eri Medeiros. A homenagem foi vetada pelo coronel Alemany, comandante do Regimento de Artilharia, que mandou destruir o pedestal parcialmente levantado pela Fundação José Augusto, apesar da autorização do Instituto do Patrimônio Histórico Nacional (Iphan).

Láelio se diz magoado, elenca várias queixas sobre o que chama de "desrespeito à memória cultural do Estado e do Município de Natal" e se queixa do pouco interesse demonstrado pelos órgãos do governo, "que preferiram patrocinar eventos festivos e badalações em praça pública, gastando recursos com comissões a produtores culturais locais e com gente de fora, velhos freguesesde caderneta dessas promoções, durante anos a fio". E continua: "Como se vê, há muito tempo, a ocara de Felipe Camarão só consagra que vem de fora". Laélio acha que um contato preliminar da secretária extraordinária Isaura Rosado ou mesmo da Governadora Rosalba Ciarlini, com o coronel teria evitado o "vexame para o Rio Grande do Norte".

Láelio aponta ainda a inércia dos "intelectuais potyguares, das academias, dos silogeus", das universidades na cobrança de providências objetivas a quem de direito, na defesa da cultura e da memória histórica. Ressalta que, dos políticos, a única manifestação formal em favor da homenagem a Othoniel Menezes veio de Mossoró, numa iniciativa da deputada Sandra Rosado. Embora sem confirmação oficial, Laélio deixou entender que vai, em local público, ao som da "Praieira", numa serenata, promover uma manifestação de protesto, derretendo a obra do escultor. Para tal, pediria o apoio ou financiaria a participação de performancistas locais. O e-mail de Laélio Ferreira é laelioferreirademelo@gmail.com. 

Nenhum comentário: